Resenha: Chão de Vento, Flora Figueiredo | Bang Bang Escrevi

Resenha: Chão de Vento, Flora Figueiredo

24 de jun de 2013
Título: Chão de Vento
Autora: Flora Figueiredo
I.S.B.N.: 8575091239
Altura: 21,5 cm.
Largura: 16 cm.
Profundidade: 1 cm.
Acabamento : Flexível
Edição : 01 / 2005
Idioma : Português
Número de Paginas : 91
Editora: Geração Editoral
Avaliação:
Surpreendente. Toda poesia esconde um segredo, um mistério. Flora Figueiredo ilustra bem isso, quando não dedica a poesia a alguém - e quando isso acontece é apenas ao primeiro nome da pessoa - deixa a cargo do leitor fazer as interpretações e descobrir o que a inspirava naquele momento. Tem poesia sobre ser mãe, sobre ver os filhos crescerem, sobre amar e não ser amada, sobre política, sobre a própria construção do livro, sobre as artimanhas do tempo, enfim, sobre um milhão de coisas.

Tudo isso, escrito com uma notável simplicidade, sem se importar muito com a teoria da poesia. É a escrita pela escrita, descompromissada, escrevendo sobre tudo e qualquer tema. Com isso ela consegue fazer você refletir entre uma página e outra, parar para pensar mesmo e traçar um paralelo com a maneira que você vive pra saber se está vivendo da maneira certa, de uma forma simples, mas rica. 
"Palavra mal guardada
acaba se tornado borboleta"
(Origami - Pg. 19)
Minha edição é uma disponibilizada pelas escolas, pelo projeto apoio ao saber, e devido a isso, imagino que esse livro anda empoeirado em muitas estantes São Paulo afora, o que é triste, porque é magnífico. Tenho que confessar que não gosto de ler poesia. Mas... é porque as escrevo e tenho uma ideia mal-formada de que lendo-as, prejudico a minha forma de escrever. Mesmo assim, me entreguei a chão de vento e um dia foi o suficiente para lê-lo e ao fim vem aquela sensação de vazio e um sentimento de... nossa!
"Na página virada,
uma beleza que ficou para trás.
A página seguinte, meu destino, tanto faz."
(Capítulo - Pg. 81)

Sinopse

Como definir os poemas deste livro? Flora Figueiredo, elogiada por Caio Fernando Abreu, Ferreira Gullar e Antonio Alçada Baptista, entre outros, é mais que apenas uma voz feminina em nossa poesia. Apaixonada, irreverente, picante, sedutora e cúmplice, ela nos leva pelo mundo das palavras como se fizesse música. É por isso que, além de lê-la nas páginas deste livro, você pode também ouvi-la, no Cd que o acompanha. Boa Leitura. Doce audição.  
Victor Candiani

Uma pessoa que gasta muito tempo com livros, filmes e séries.

Comentários
0 Comentários
Deixe seu comentário
Postar um comentário

 
Bang Bang Escrevi | Todo conteúdo está sob a proteção da licença Creative Commons 3.0.