Julho 2012 | Bang Bang Escrevi

Idios #06: Mandela, Filme e Poesia

22 de jul de 2012
Bom, hoje vou falar de um dos meus ídolos.O Prisioneiro 46664 ou o 466º de 1964: Nelson Mandela.

Pra mim ele é o maior símbolo de luta, esperança, liberdade e afins da minha geração. Se existem heróis esse cara é um deles. Mas e aí o que ele fez?


Bem, ele era negro, não que isso seja o importante, mas ele era negro no regime mais segregador que existiu após a Segunda Guerra Mundial. Onde a diferença étnica era explícita e aceita na sociedade. Exemplos: Os ônibus tinham lugares nos fundos reservados para negros - quando paravam - os da frente, assim como todos os outros acessórios públicos como
 bancos,  bebedores etc. continham placas com os dizeres "White only", e todo negro devia portar um passe que dava acesso as zonas denominadas brancas.

Mas não é disso que quero falar. O motivo disso é o filme exibido esses dias, Invictus. O filme trata de um time de rugby que pretende ganhar a copa mundial e precisa de inspiração, como presidente da nação Mandela vai inspirar esses garotos. Já que é um filme, tem todo o encanto de sempre e os desfechos paradoxos, mas o interessante no filme e o que vim trazer para vocês é uma poesia de 
William Ernest Henley que dá nome ao filme.

Clique aí em continuar lendo para ler a poesia.

Peter Pan e Amélie Poulain

21 de jul de 2012
E tem essa, a menina com jeito de Cinderela
que saiu do conto de fadas “a história de Isabella”.
Com toda sua meiguice e timidez de princesa
e seus modos e gestos de garota francesa.

Acha ser pacata, pequena e de existência vã,
mas nem imagina o tamanho que agora vem,
pra perto do menino que escreve, Peter Pan.
Que sempre espera o melhor que ela tem.

Peter, o Pan, deveras apaixonado por ela é
e levá-la pra terra do nunca com razão quer
a espera, como o livro diz, na janela em pé
e quem sabe descobrir seu lado mulher.

O mais profundo Desejo da imaginação de um louco são
que pela Miranda, Sininho e Poulain tem admiração
e devoto o cavalheiro de armadura é dessa trajetória
a esperar que para princesa seja mais do que memórias.

E da parte que se diz são louco o é por também ter                       
todos os fetiches intrínsecos dos contos de fadas
estancados em seu peito pela lâmina de uma adaga
Que ânsia pela satisfação de os cometer.

Café, estrelas e olhos azuis

20 de jul de 2012
Vou encontrar com você onde se esconde em Limeira.
De lambreta na estrada a noite inteira atrás de um caminhão.
Descobrir que você mora, assim quem sabe, em uma ladeira
e te entregar, se quiser, de bom grado o meu coração.
Mas antes de aceitar qualquer coisa, me ofereça um café
que a gente olha pro céu procurando uma ou duas constelações
enquanto te puxo pra perto pra te fazer um cafuné,
quem sabe até arrisque cantar algumas canções.
E pra mim esse excêntrico cabelo cor pastel
que dentre meus gostos não tem o doce do mel,
mas se em tanto comigo você se assemelha
Vamos dormir aqui fora porque no teto não tem telha.
Na verdade, sem grandes expectativas tudo vale a pena,
sair de casa e ir pela estrada encontrar uma pequena
que tem os olhos mais lindos que já vi da cor do céu
e do crime de tentar conquistá-los com certeza sou o réu. 

Sanguessugas

19 de jul de 2012
Um bando de sanguessugas é só o que somos para você
sem vitórias, derrotas ou glórias nessa estrada de histórias.
Pessoas que só querem tirar da sua velhice a paz e tranquilidade
Como se preferisse que fossemos apenas memórias.

Arrumando desculpa pra abandonar o lar, como se quisesse ficar.
Cansada de trabalhar por que tem contas com juros para pagar.
E onde entra a parte que não ajudo? Como filho, também não me iludo.
E é só uma questão de tempo até cada um pegar seu rumo.

Tão fácil para uma mãe falar, tão duro para um filho ouvir
com tanta insistência e ênfase a fazer-te desconfortável
de ter um teto sobre a cabeça que te sufoca e te faz sair.
A questão aqui não é fugir, se nos quer fora, é só pedir.

E vem com esse papo corriqueiro apenas com a intensão de ofender
os filhos que felizmente nunca fizeram realmente por merecer.
Agora responda a questão com a dedicação que tem com a labuta
O que serão os filhos se não sanguessugas?

Resenha: Sr. e Sra. Smith

9 de jul de 2012
Um livro de leitura fácil e agradável. A história mostra um casal de agentes assassinos que trabalham para agências rivais em um casamento em crise. 

O livro foi escrito graças à ajuda do Dr. Mark Wexler, consultor de casais que ajudava John e Jane em um tratamento que ela arrematou em um leilão.

Como eles tinham dificuldades para falar do casamento um na frente do outro o Dr. Wexler propõe que eles escrevam, o que dá origem ao livro.

O casal se conhece em uma missão em Bogotá, tem um namoro relâmpago e decidem se casar sem saberem a verdade de um sobre o outro. Mas com o passar dos anos essa chama apaga e o casamento cai na rotina, afinal uma casa perfeita, tudo que o dinheiro pode comprar e o status social cansa e enfadados começam a se ignorarem e voltam-se cada vez mais para seus trabalhos.

Jane, linda, sexy e competitiva. John, atlético, atraente e sedutor. Ela atua como CEO em uma empresa de informática e ele é sócio de uma grande empresa do ramo de construções, ambas funcionam como fachadas para seus verdadeiros trabalhos. Ela sai muito à noite pra resolver problemas em servidores da Wall Street e ele viaja muito para Atlantic City para resolver problemas de última hora em seus contratos.

O livro é divertido por mostrar esses conflitos entre os casais e longe do filme é cheio de palavrões e coisas que pessoas normais dizem. Jane é sarcástica e irônica e o John é divertido e cheio de piadinhas. O filme foi fiel a história e mostrou bem o lado do casal, além disso, eu não vejo no cinema atual casal melhor para encenar Jane e John do que Angelina Jolie e Brad Pitt. Pra mim que li o livro depois de ter assistido o filme é quase impossível não imaginar os atores narrando às cartas, o que torna o livro ainda mais divertido.

O livro é engraçado e cheio de ação do começo ao fim, isso é claro, pra quem é fã de histórias de amor impossíveis e cheias de desafios.

Detalhe para a capa do livro, sim, são duas capas e você pode deixá-lo na prateleira mostrando o seu ator preferido.

 
Bang Bang Escrevi | Todo conteúdo está sob a proteção da licença Creative Commons 3.0.